sexta-feira, 19 de novembro de 2010

PROGRAMA QUARTO MUNDO

Canal Universitário de São Paulo
PROGRAMA QUARTO MUNDO - PPJ

Hoje, sexta dia 19, estreia a nova série do programa Quarto Mundo sobre Políticas Públicas para a Juventude, às 18h30 no Canal Universitário.

O convidado é Fabrício Lopes, membro do Conselho Nacional de Juventude.

Quem tiver acesso acesso ao canal 11 da NET , 71 da TVA ou 187 da TVA digital podem assistir tranquilamente.

Caso não estejam em São Paulo, assistam streaming do próprio Canal Universitário (postado abaixo)

Em breve estarão todos disponíveis no Youtube, no canal online da TV USP.








Confira, divulgue e faça suas considerações

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

CAMINHOS DA INSTITUCIONALIDADE

Para onde vamos?

Por: Fabrício Lopes*

Há um fato que me incomoda a cada dia mais e mais. Será que, na seara da administração pública, criar um órgão voltado a juventude e colocar uma pessoa apenas bem intencionada para gerir é suficiente para dirimir os problemas que a juventude enfrenta no escopo da sociedade?

A forma como os gestores públicos tratam este importante tema, a meu ver, está aquém da real necessidade de atendimento das demandas do jovem. Isso fica explícito no horário eleitoral gratuito, onde todo candidato manifesta preocupação com a juventude. Nesta hora, brota uma profusão de soluções mágicas para as áreas diversas, como educação, saúde, emprego etc. Até em lazer pensam.

Promessas que ficam intangíveis quando se trata de conteúdo programático, melhor explicando, a grande maioria dos partidos políticos não tem um projeto, digamos, para usar o termo da moda, sustentável para a imensa massa de jovens que compõe a maioria da população brasileira.

Em outras palavras, políticos são cheios de boas intenções, mas não sabem como lidar na prática para dirimir os problemas. Na verdade, não há interlocução, a maioria deles nem tem ao menos a noção de que algumas suas idéias são reflexo da vontade da juventude. No Brasil, há dois anos, foi realizada uma conferência em âmbito nacional, envolvendo gente de todo o país e na qual foi tirada 70 resoluções e fixadas 22 prioridades. Pergunte quantos homens públicos têm consciência do fato.

Mais preocupante ainda é que em 2008 algumas administrações municipais fizeram uma declaração de apoio ao Pacto da Juventude. Alguns dos compromissos firmados à época começam agora a sair do papel, o que nos alegra, pois é do que precisamos. Queremos mais espaço para fazer política e aprofundarmos debates anteriormente disseminados na máquina pública.

Torna-se preocupante, no entanto, que tais órgãos voltados a juventude vão sendo montados sem critério e embasamento por parte daqueles que estão assumindo o papel de gestor. Alguns governos estabelecem uma a pasta da Juventude apenas para explicitar um “compromisso” que não tem o sentido real da coisa. É preocupante que haja uma leva grande de espaços que vão sendo ocupadas por pessoas com muita vontade mas pouca experiência política e conhecimento da causa.

Neste caso, a boa intenção se perde na inexperiência de quem está colocado a fomentar o trabalho. Acaba ficando à mercê de decisões alheias. Para dar certo é preciso alguém que entenda do tema. Não necessita exatamente que seja pessoa dentro da faixa dita de juventude a ocupar o posto. Quem já passou esta fase, mas tem militância, bom trânsito e know-how, tem muito mais condições de prestar um bom serviço neste segmento, que é bastante delicado.

E que não caiba aí nenhum tipo de preconceito arraigado de idade ou outro qualquer, pois nada supera o conhecimento adquirido. Meu receio é que o “fazer por fazer”, ações retóricas apenas, nos faça retroceder nos avanços até aqui conquistados. Ao invés de servir só para conferir status a algum agente político, deveria mesmo servir para pensar as soluções para os grandes temas que afligem à juventude. O debate não termina aqui.

*Fabricio Lopes é membro
do Conselho Nacional de Juventude

terça-feira, 9 de novembro de 2010

SOCIEDADE E EDUCAÇÃO

A participação da sociedade na construção de uma nova política educacional

Por Márcia Rebeca

Etimologicamente a cidadania tem origem nas cidades-estado, entretanto sua real definição está no processo a que ela pertence. No caso do Brasil, é importante ressaltar que a relação da sociedade com o poder não foi historicamente muito boa, pois o país sempre teve uma tradição autoritária, oligárquica e principalmente excludente. Dessa forma, é preciso compreender que o exercício da cidadania não foi durante muito tempo uma prática comum do brasileiro.

A contribuição da sociedade civil organizada é fundamental ao processo de construção, pois é a partir da identificação do problema e da mobilização que o poder público chegará a intervir com a efetivação de uma política pública, ou seja: “(…) o projeto de sociedade, por sua vez, é construído pelas forças sociais que têm poder de voz e de decisão e que por isso, fazem chegar seus interesses até ao estado e à máquina governamental, influenciando na formulação e implementação das políticas e dos programas de ação. (AZEVEDO, 2004, p. 60)

A história já mostrou várias vezes como foram importante e decisiva as mobilizações sociais. Foram vitoriosas na conquista da redemocratização do país na década de 80. Com essa conquista e a promulgação da Constituição Federal de 1988, que teve importante participação da sociedade em sua construção, a participação popular na concepção de políticas públicas foi prevista, de forma que a sociedade passou de agente passivo no bojo de políticas públicas, para agente ativo na elaboração/execução/fiscalização dessas políticas, vejamos:

“No Brasil, as políticas governamentais centram-se, hoje, à luz da Constituição Cidadã de 1988, no desenvolvimento de um governo democrático, o que exige a participação de todos os setores da sociedade no processo de tomadas de decisões. (…) uma reflexão conjunta sobre as melhores práticas, estratégias e programas (…) a serem implementados a partir de diferentes realidades sociais e políticas.” (DE LEON et al, 2009, p. 16)

É somente com a mobilização da sociedade que se pode iniciar o debate em torno dos instrumentos de participação e controle social das políticas como forma de transformar a realidade. Da participação da sociedade, vale salientar que existe o problema da ausência de pautas unificadas que acabam comprometendo o atendimento do anseio da sociedade pelo governo.

A participação popular esteve presente nas ações no campo educacional, como aconteceu no sertão de Pernambuco, quando a sociedade levou educação para os mais pobres e os que tinham dificuldade no acesso à escola através da união do Governo do Estado e do Movimento de Cultura Popular: “No domínio da educação, temos que registrar a tarefa do MCP, que atualmente está formando alfabetizadores no campo.
(…) Em 1963 funcionaram no Recife, sob as ordens do MCP, 402 escolas com 922 classes. O trabalho realizado teve como fruto a alfabetização de 30.983 crianças e 9.632 adultos.” (BRASIL, 2000, p. 49)

Atualmente vemos ações nesse sentido, durante a Conferência Nacional de Educação, quando a sociedade civil organizada debateu e propôs idéias para a construção de um sistema educacional que contribua de fato para a formação do cidadão. Essa participação se reflete hoje no Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (SINAES), no Plano Nacional de Educação, na instituição do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) como forma de ingresso na Universidade.

Após o Poder Público enxergar sua participação na construção da nova idéia, o governo necessita ainda, a partir dos recentes investimentos em educação colocar a instituição escolar nos centros das preocupações educacionais e descentralizar os poderes.

Ao descentralizar os poderes, o espaço escolar passa a ser mais democrático e pais, alunos, professores e funcionários constroem a responsabilidade pelas decisões em favor da escola, onde todos dentro de seus coletivos (grêmios estudantis, conselho de pais e mestres) possam opinar sobre as questões que envolvem a gestão da escola, tais como orçamento, projeto político-pedagógico, rendimento dos alunos, melhorias no espaço físico, formação dos professores. “A participação crescente da comunidade e da sociedade nos assuntos da escola e principalmente uma convergência de políticas corretas e duradouras, são os responsáveis pelos resultados” (GOUVÊA, 2000, p. 14). Assim, pode-se pensar em descentralizar os poderes e juntamente com ele, as verbas destinadas às Secretarias de Educação. Dessa forma pais, alunos, professores e funcionários trabalhariam juntos pela educação das crianças e dos jovens. E como eles desenvolverão estes trabalhos?

É preciso que, haja de fato essa descentralização de poderes. O comando da escola deve ser orientado pelos diretores, mais deve passar pela mão de todos os envolvidos na comunidade, de modo que cada escola tenha seu próprio orçamento e projeto político-pedagógico construído pela comunidade, que o rendimento dos alunos seja avaliado constantemente pelo coletivo.

É essa nova idéia de descentralização que “verifica-se hoje uma nova geração de dirigentes educacionais, muitos dos quais têm procurado desenvolver experiências inovadoras” (MELLO, 1993, p.01). Esses dirigentes dividem o poder de decisão com as Associações de Pais e Mestres, com Grêmios Estudantis e com os funcionários das escolas e assim desenvolver projetos inovadores que dão certo na medida em que a participação da comunidade aumenta.

Esse mesmo coletivo precisa ter desenvolvido sua capacidade de solucionar problemas e ter raciocínio crítico. Alonso (2003, p. 93) entende que:

Os dirigentes escolares terão de se preocupar com a formação dos vários agentes (professores, diretores, bem como seus auxiliares e os da comunidade), para que eles possam fazer uma reflexão sobre o trabalho desenvolvido frente às novas demandas educacionais.

Percebemos no pensamento do autor, que esses agentes deverão desenvolver o trabalho frente à prevenção de possíveis problemas que possam influenciar no rendimento dos alunos. Segundo estudo da OCDE:

“Um dos fatores responsáveis pelo baixo desempenho acadêmico dos estudantes brasileiros é a falta de participação dos pais na vida escolar dos seus filhos.” (Jornal do Senado, nº 2646/139, 13 de agosto de 2007)

Vemos na citação anterior, o estado de atenção latente aos problemas que freqüentemente influenciam no desempenho do aluno como atuação do professor, estrutura e funcionamento do ensino, material didático, participação dos pais. Se a escola envolve os pais e os tornam protagonistas nas tomadas de decisão na escola, um problema já foi vencido, o interesse dos pais pela educação de seus filhos.

ALONSO, M. [et al.]. Gestão Educacional e Tecnologia. Organizadores: Alexandre Thomaz Vieira, Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida, Myrtes Alonso. São Paulo: Avercamp, 2003.
AZEVEDO, J. M. L. A educação como Política Pública. 3ª. Edição- Coleção Polêmicas do Nosso Tempo; volume 56 – Campinas: Autores Associados, 2004
BRASIL, J. ARRAES: Um ano de Governo Popular. Reedição. Brasília-DF: Fundação João Mangabeira, 2000.
DE LEON, A. P., DOLEJSIOVÁ, D. e FANGOLA, T.. Curso de formação, atualização e capacitação política. Escola de Formação Política Miguel Arraes. Brasília-DF: Fundação João Mangabeira, 2009.
GOUVÊA, G. F. P. Um salto para o presente: a educação básica no Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392000000100003&lng=&nrm=iso. ISSN 0102-8839. doi: 10.1590/S0102-88392000000100003. Acesso em: 24 de mar. 2008
JORNAL DO SENADO nº 2646/139, Semanal, 13 de agosto de 2007.
MELLO, G. N. Autonomia da Escola: Possibilidades, Limites e Condições. Cadernos Educação Básica. Série Atualidades Pedagógicas. Volume 1. Brasília: Fundação Cesgranrio, 1993.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

DOCUMENTÁRIO

Frutos do Brasil
Juventude que coloca o discurso em prática





Assista e faça sua parte!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

POESIA FAZ BEM

Perdi os Meus Fantásticos Castelos



Perdi meus fantásticos castelos
Como névoa distante que se esfuma...
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
Quebrei as minhas lanças uma a uma!

Perdi minhas galeras entre os gelos
Que se afundaram sobre um mar de bruma...
- Tantos escolhos! Quem podia vê-los? –
Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma!

Perdi a minha taça, o meu anel,
A minha cota de aço, o meu corcel,
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias...

Sobem-me aos lábios súplicas estranhas...
Sobre o meu coração pesam montanhas...
Olho assombrada as minhas mãos vazias...

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"

terça-feira, 30 de março de 2010

Educar Cidadãos

Educação: cidadania do povo

No Brasil, parte dos fatores que geram a pobreza de grande parte da população é oriundo da extrema desigualdade legitimada pelo modelo produtivo vigente, redundando, dessa forma na baixa escolaridade das camadas menos favorecidas.

Diante dessa constatação, um processo educacional de qualidade deve ser convertido em prioridade absoluta da nação. Esta exigência deve pautar, necessariamente, uma ação política em amplo sentido, mesmo entendendo que a educação não conseguirá resolver sozinha os problemas sociais do país, mas sem ela não há desenvolvimento. (Paulo Freire, 1987).

Porém, é cada vez mais evidente que a preparação de cidadãos para atuar de forma crítica é a maneira capaz de dotar a juventude de autonomia intelectual, social e política, formando pessoas livres e participativas. O teor intrínseco da educação não pode apenas ser o de transmitir conhecimento e, sim, ensinar a viver com consciência cidadã, na perspectiva de transformar sua realidade caótica, fundada historicamente, por um modelo que privilegia a “coisa econômica”, em detrimento do senso de humanidade. Essa tarefa compete à educação.

sábado, 20 de março de 2010

Preconceito?!!


Preconceito? Polemico!? O que vem a ser de fato esse termo? O seu uso para rotular e fortalecer certas contravenções não vem servir a interesses escusos?

Neste momento de construção da Carta de Direitos Humanos, quando se comemorou 50 anos do estabelecimento da Declaração Universal dos Direitos Humanos não há como evitar certas reflexões.

Não gosto muito de abordar certas questões polêmicas a não ser em espaços de discussão que trarão algum proveito e com pessoas que apreciem o processo democrático tanto quanto eu. Pois alguns há que querem que a democracia funcione a seu favor, mas querem tolher o direito de expressão de quem não lhe agrada ou tem uma fala contrária a sua posição.

Discordar é um direito, lembremos, pois que a ética é um dos componentes do tripé do pensamento. Além disso ao olharmos o berço da democracia nos lembraremos que o consenso, da forma como vem sendo tratado hoje, emburrece e torna impunes os que se põem a tratar o público como ‘o quintal de sua casa’, diminuindo a fiscalização daqueles que por terem sido minoria em determinado momento deveriam se colocar com a função de cobrar que a proposta majoritária fosse executada. O que não ocorre, é óbvio!

Mas, digo assim dessa forma, porque a discussão sobre preconceito hoje tem tomado rumos um tanto perigosos quando se propõe a impedir que as pessoas possam manifestar sua opinião, expressando-a livremente ainda que criem borboletas no estômago de quem diverge ou não está plenamente de acordo. Um discurso precisa sempre ‘mexer’ com quem ouve, precisa causar uma reação. Senão não há sentido. Vejo então, que isso tem sido sintomático de uma sociedade que se perde na falta de espaços de discussão, na construção e consolidação do acesso ao conhecimento de fato, e que ignorantemente tem ignorado sua ignorância (uau, de onde tirei isso? Rs) e dessa forma privando-se do direito de opinar e remetendo-o a um representante qualquer assume o discurso que lhe impõem ou lhe asseguram como sendo o melhor, mais justo e igualitário.

Hipocrisia! Manipulação! Midiatização dos conceitos, distorção pura de quem imbuído de um discurso humanista, democrático, progressista até, deseja no fim das contas lucrar com o cerceamento de opiniões, tirando da sociedade o direito de discutir, de discordar, apenas com o engano de que é por uma luta e uma causa maior ou então, estamos ouvindo os oprimidos e fazendo jus à sua luta. Lutamos sim, mas não queremos um acordo em troca do silêncio, não queremos um conceito ao invés de leis justas que assegurem a liberdade de escolha e de opinião.

Quero terminar deixando uma dica: Livre arbítrio, livre escolha. Anjos e demônios respeitam essa lei, seriam os homens mais poderosos? Estão tentando!

terça-feira, 16 de março de 2010

PENSAR NÃO FAZ MAL

BIG BROTHER BRASIL,
UM PROGRAMA IMBECIL

O educador Antônio Barreto, um dos maiores cordelistas da Bahia, acaba de voltar ao Brasil com os versos mais afiados que nunca depois da polêmica causada com o cordel "Caetano Veloso: um sujeito alfabetizado, deselegante e preconceituoso".


Desta vez o tema é o anacrônico programa BBB-10 da TV Globo. Nesse novo cordel intitulado "Big Brother Brasil, um programa imbecil" ele não deixa pedra sobre pedra. São 25 demolidoras septilhas (estrofes de 7 versos), acompanhe:


Por Antonio Barreto*

Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão
Lá está toda a família
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.

Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Dar muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social
Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.

É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados
Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal…

FIM

Antonio Barreto nasceu nas caatingas do sertão baiano, Santa Bárbara, na Bahia.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

OS ESTUDANTES E A CONSTRUÇÃO DE UM PAÍS


Qual a contribuição dos Estudantes na construção do país?
Conheça essa história

Em 2007 foi lançado o livro Memórias Estudantis, do Projeto Memória do Movimento Estudantil.
O livro conta desde a história da fundação da União Nacional dos Estudantes, passando pelo período da "Ditadura de Vargas", Ditadura Militar, reconstrução e construção de um estado democrático de Direito, aos dias de hoje.

Leiam o Livro, discutam, critiquem, mas conheçam a história contada por pessoas que durante um período importante e decisivo, porém perigoso de nosso país, lutaram pelos direitos de todos os brasileiros distintos de movimentos. Os estudantes do Brasil.





sábado, 27 de fevereiro de 2010

LEITURA PARA DIÁLOGOS

Manifesto Comunista

Em 1848 o método de análise da sociedade sofreu uma transformação radical a partir da construção de uma nova ferramenta, até nossos dias insuperada: O Materialismo Dialético. No Manifesto do Partido Comunista, Karl Marx e Friedrich Engels difundiram de maneira simples, em formato de “Manifesto”, sua nova concepção de Filosofia e de História.




Instrumento para o Diálogo